quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Régis Bonvicino

Rotina

Um mendigo
ao revirar
uma lata de lixo
arrancou o pino
de uma granada
que decepou seu braço
os estilhaços perfuraram
seu olho esquerdo
e destroçaram seus lábios
e dentes, um vira-lata
morreu na hora
Gostava
da vida despedaçada
que o acolhia -
em sua explosiva rotina



Viva, em vermelho vivo
no muro
dois mendigos
largados na calçada
dormindo
indiferentes aos carros que passam
e ao alívio
da brisa
que atenua o calor de dezembro
um vira-lata dorme também
tranquilo





Eu acho um dos melhores poemas que eu li esses tempos. De um cara "novo" né, ou que ainda tá vivo e escrevendo, é de um livro publicado em 2007, apesar de caro, e em geral livro de poesia dar uma dor no bolso, muita coisa sem escrever e páginas em branco, por que eu gosto é de conteúdo, mesmo na forma, vale a pena. Eu gosto e tenho dito, e ponto.
Não gosto de publicar outros, é mais pra mostrar mesmo, e não tenho tido tempo de escrever, espero que passe.

Um comentário:

Clarice disse...

os seus são melhores