domingo, 8 de novembro de 2009

Trechos

e se de repente
sem saber
querendo

amor

de uma granada
que decepou seu braço
os estilhaços perfuraram
seu olho esquerdo
e destroçaram seus lábios
e dentes, um vira-lata

Uso o poema para o
escândalo

uma esperança
uma alegria
canta mais

travo
meço
sigo
acelero











Uma coisa. A estrofe da granada (eu sei, eu sei, é a melhor), não é minha! Roubei do poema que está nesse blog também, o rotina (do régis bonvicino). Eu explico: pra o que eu queria do poema não dava pra fazer algo melhor, e cortar o poema dele também ajuda, então, desculpem pela decepção parcial!

Um comentário:

Danico Cásper Líbero disse...

gosto mesmo dos seus poemas